Em uma breve entrevista à Entertainment Weekly, Sabrina Carpenter comenta sobre sua jornada transformadora gravando “The Short History of the Long Road”, sobre se tornar emocionalmente envolvida com um veículo, amizade feminina e abraçar o desconforto. Leia a matéria abaixo:

Sabrina Carpenter está colocando o pé na estrada – mais ou menos.

A atriz de Garota Conhece o Mundo e Uma Aventura de Babás está mostrando um novo lado no novo filme The Short History of the Long Road, que teve sua estreia mundial no Tribeca Film Festival no dia 27 de abril. De fato, com cabelo pintado de castanho e sem maquiagem, Carpenter está há um longo caminho de suas raízes da Disney e mal se reconheceu com uma aparência alterada.

Mas essas mudanças físicas só ajudaram Carpenter a incorporar Nola, uma garota de 19 anos que mora em uma van com seu pai (feito por Steven Ogg) e aprendendo a ser auto-dependente – uma habilidade que vem a ser útil quando uma súbita perturbação a deixa sozinha no mundo e forçada a encarar sua própria independência. Mas conforme Nola faz seu caminho a Alburquerque, NM em busca de sua mãe desconhecida (feita por Maggie Siff), ela é forçada a parar e decidir se a vida estacionária seria melhor para ela.

Diante do lançamento do filme, EW conversou com Carpenter sobre se tornar emocionalmente envolvida com um veículo, amizade feminina e abraçar o desconforto.

EW: Qual foi sua reação inicial quando você recebeu esse script e o que fez você querer ser parte dele?

SC: Eu recebi esse script que tinha uma jovem dama protagonizando o filme e eu estava tão renovada e feliz de lê-lo porque eu não havia lido nada daquilo para uma garota da minha idade há um tempo e então quando eu pude falar com a  Ani [Simon-Kennedy, a diretora] e ouvir sua visão e sua paixão por trás da história e o tudo sobre o que ela é, eu quis ser uma parte dela.

EW: Como o jeito de Ani trabalhar se diferencia do de outros diretores e o que de sua visão falou com você?

SC: Ela é tão pé no chão. Não há ego o que é muito do coração e a beleza crua nessa história. Eu sinto que Ani traz autenticidade para a visão e o projeto, e para o estético do filme e a maneira que ele foi filmado; ela incorpora isso em sua própria vida.

EW: Você teve que fazer uma preparação para esse filme, pintar seu cabelo de castanho e usar quase nada de maquiagem. Isso foi agradável e te ajudou a entrar na personagem?

SC: Nola tem auto consciência mental mas não é física. Nós conscientemente fizemos um esforço; ela não usa maquiagem, ela tem um cabelo não penteado o tempo todo, ela toma banhos em locais, banheiros públicos, ela não se depila, ela não sabe – isso não é algo para ela. Então haviam todas esses pequenos detalhes que me deixaram realmente trazê-la à vida.

EW: Você caracterizaria esse filme como um filme de estrada? Porque Nola tem esses momentos transformativo quando ela chega a uma parada, fora da estrada.

SC: Certo, eu sinto que esse é um filme de viagem fora da estrada. É realmente interessante porque a maioria dos filmes de viagens de estrada são sobre a jornada e para ela é sobre os encontros que ela encontra quando não está na estrada. Toda a sua vida ela tem estado na estrada mas agora não é sobre a viagem necessariamente o tanto quanto é sobre as paradas. Quando ela é forçada a parar, isso dá a ela uma nova perspectiva do que a vida é.

EW: Há também uma boa mensagem sobre amizade feminina no filme. Você pode falar sobre a importância de colocar essa mensagem por aí?

SC: Isso diz muito pelo que Nola está procurando e anseando em sua vida e ela descobre isso em um jeito organizado em uma joven garota que é tão interessada no mundo quanto ela é. Ambas tem problemas e coisas pelas quais estão passando e isso é algo com o qual várias jovens mulheres estão lidando, mas elas nem sempre necessariamente procuram umas nas outras por amor, amizade e apoio.

EW: Foi uma gravação curta e sua personagem passa por um monte de m*rda em tão pouco tempo, você ficou exausta quando terminaram?

SC: Sim, eu estava emocionalmente exausta. Foi muito interessante entrar em um avião, ir para casa e pintar meu cabelo de volta ao loiro e gravar um clipe. Eu tava tipo, o que?

EW: Falando de clipes, o que vem em seguida para você?

SC: Eu tenho um filme da Netflix sendo lançado e eu tenho outro projeto sendo lançado em breve sobre o qual ainda não posso falar (Carpenter foi anunciada como protagonista na comédia de dança de Alicia Keys do STXfilms e Alloy Entertainment na quinta). Eu tenho a segunda metade do meu álbum sendo lançada; é uma continuação do Singular: Act I. Eu penso nele como um grande álbum, dividido em duas partes; um é um pouco mais claro e brilhante e o outro é mais emocional, não é sombrio mas tem elementos mais sombrios nele. Então eu estou ansiosa para que todos ouçam e obviamente tem mais turnês e alguns shows vindo.