No mês de lançamento da segunda parte de seu terceiro àlbum de estúdio, foi lançado uma press release para divulgar o Singular Act II, que será lançado no dia 19 de Julho. Você pode conferir a tradução completa, feita pela nossa equipe, abaixo:

Confiança assume muitas formas. Às vezes, ela pode ser evidente. Outras vezes, ela pode ser minimizada. De qualquer forma, ela deixa uma impressão. No Singular: Act II, Sabrina Carpenter projeta naturalmente um nível elevado de equilíbrio no microfone como uma cantora e nas letras como uma compositora. As histórias pessoais da garota de 20 anos refletem uma forte autoconfiança que desmente sua idade.

Falando e mostrando, esse crescimento criativo e pessoal brilha diretamente do coração sem filtros.
“Como uma jovem mulher na indústria de entretenimento, é fácil questionar quem você é diariamente,” ela admite. “Eu obviamente ainda estou descobrindo, mas muitos fãs estão fazendo a mesma coisa. Quando eu estou escrevendo, é importante para mim contar minha própria história e me divertir, mas eu também penso no que os ouvintes podem precisar em suas vidas. Nós fazemos músicas para sentirmos que não estamos sozinhos, o que eu espero que essas músicas transmitam.”

Ao longo de 2019, o talento de ouro identificou outro lado dela mesma. Ela dividiu seu terceiro álbum – Singular – em dois atos. Act I destacou sua escrita em um poderoso e palpável espírito. Em seis meses, ele atingiu mais de 100 milhões de streams cumulativos. The Line of Best Fit exaltou ele como “seu mais tenso e polido projeto até agora”, Earmilk chamou de “dinâmico e exigente,” e People o resumiu melhor como “uma força com a qual contar”. Simultaneamente, o single “Sue Me” passou dos 41 milhões de streams no Spotify e 21 milhões de views no YouTube (números de Maio de 2019).

Conforme ela juntava as peças do Act II, a cantora ligeiramente trocou de marcha…

“Eu dividi os atos para mostrar duas maneiras diferentes de ser confiante,” ela explica. “Act I é sobre a confiança clássica que vemos quando alguém tem uma boa postura e entra em um lugar com um sorriso cintilante. Depois de escrever todas aquelas faixas com ousadia e atitude, eu percebi que algumas das pessoas muito confiantes em quem eu me inspiro não são sempre as mais chamativas no lugar. Ás vezes, eles estão apenas observando. Eles são inteligentes e conscientes de suas emoções no momento – sejam elas positivas ou negativas. Act II mostra o lado vulnerável da confiança; é mais aberto e cru. Tem um alcance interessante em termos de música e mensagem. Nenhuma das músicas se parecem.”

A diversidade permanece evidenciada pelas faixas lead. A produção R&B de Oak Felder [Rihanna, Alessia Cara] dá caminho para a entrega com a alma na incontestável “Pushing 20” conforme ela diz “I’m pushing 20, got no time for others.” Em outro lugar, violão e cordas limpas entonam com a entrega ofegante na íntima “Exhale“, na qual segundo Carpenter, “te deixa um pouco mais fundo no que você pode não ver na superfície,” e a qual ela inicialmente cantou ao vivo com uma apresentação solo para fechar seus shows. Sua sensibilidade forte representou o que ela chama de “pura honestidade no momento.”

Uma dançante linha de baixo e teclas celestiais acompanham o vocal na cinética “In My Bed“. Sua voz balança em direção à confessional e cativante canto, “I’m still stuck in my bed about it.” Ela continua, “É uma brincadeira inteligente com as palavras ao invés de dizer, ‘I’m in my head about it’. A música é sobre um daqueles momentos nos quais a vida parece muito com o que lidar. Nós pegamos isso e transformamos em algo muito divertido e vulnerável.”

Trompas turbulentas e ritmos de salsa pontuam “Looking At Me“, enquanto “Can’t Stop Me[feat. Saweetie] marca a maior partida criativa por mesclar hip-hop e pop. Sua faixa expansiva cativa enquanto a californiana Saweetie serve uma corajosa participação.

“Eu amo o fato que ‘I Can’t Stop Me‘ tem outra mulher muito forte nela,” continua Sabrina. “Isso adiciona ao time Singular. Isso foi também muito experimental, porque nem eu esperava esse tipo de colaboração. Vocalmente e liricalmente, eu estou em um tempo da minha vida em que não há limites ou regras.”

Esse espiríto descompromissado e aventureiro define ela como uma artista tanto como atriz, designer, e ícone de estilo. Ela continua a cativar nas telas como uma filmografia diversa incluindo The Hate U Give, Tall Girl, Orange is the New Black, Girl Meets World, The History of the Long Road, e a comédia de dança de Alicia Keys, Work It. Sem mencionar, o ícone de estilo dirige uma colaboração com a Aéropostale, projeta sua merch, e regularmente gera milhões de “likes” em suas escolhas fashion. Musicalmente, ela ganhou dois singles de ouro – “Thumbs” e “Why” – apoiou Ariana Grande, e tomou o palco no Jingle Ball por três anos consecutivos.

No final, sua própria confiança empodera.

“No Act II, eu fui capaz de dizer exatamente o que eu estava sentindo,” ela diz. “Eu espero que quando as pessoas o ouçam, elas possam vê-las na música. Isso é o que eu sempre quis dizer. É como quando você coloca uma roupa que você ama, você anda um pouco diferente e você fica mais confortável consigo mesmo, com seu corpo e com seu sorriso. É assim que eu quero me sentir com minha música.”