Após o lançamento do “Singular Act 2”, Sabrina Carpenter concedeu uma entrevista para a revista People onde falou o significado por trás de cada música do álbum, além de já ter começado a trabalhar em seu quinto álbum e que espera fazer uma turnê mais longa do que no Act 1. Confira a entrevista completa e traduzida pela nossa equipe logo abaixo:

Tem acontecido muita coisa na minha vida que me fez querer refletir”, diz Carpenter sobre seu mais novo álbum.

Sabrina Carpenter acaba de lançar seu quarto álbum Singular: Act II – e PEOPLE se encontrou com a jovem estrela para falar sobre seu lançamento, cheia de suas letras mais pessoais e reflexivas.

Carpenter, que completou 20 anos em maio, diz que as composições se tornaram um caminho para sua autodescoberta – e ambos os atos do Singular são prova disso, como ela escreveu em todas as faixas.

Eu definitivamente senti que dentro das músicas que eu estava escrevendo, não estava lutando tanto com minha identidade, quanto lutando para chegar a um acordo com quem eu sou”, ela diz à PEOPLE exclusivamente.

Tem acontecido muita coisa na minha vida que me fez querer refletir”, acrescenta ela. “Eu sinto que este ano passado é definitivamente – altos e baixos – como uma montanha-russa. Isso me ensinou muito, com certeza. Mas também me estendeu a lugares diferentes que eu não achava que pudesse ir antes.

O segundo ato vem oito meses depois de Singular: Act I, e apesar de Carpenter originalmente ter planejado lançar Singular como um álbum completo, as faixas no Act I “se encaixam perfeitamente”.

Carpenter está filmando Work It ao lado de Liza Koshy e Keiynan Lonsdale , de Com Amor Simon, no Canadá, o que a levou a relembrar seus primórdios musicais.

Eu me lembro de lançar meu primeiro álbum quando estava filmando um filme no Canadá, quando eu tinha uns 15 anos”, diz ela, referindo-se ao álbum Eyes Wide Open. “É realmente um círculo completo.

Nesta semana, também foi anunciado que a ex-atriz de Girl Meets World vai estrelar e produzir a adaptação cinematográfica de The Distance from Me to You. Carpenter também disse a PEOPLE que ela já começou a trabalhar em seu próximo álbum e espera fazer uma turnê mais longa do que no Act I.

Entre risadas nervosas sobre encontrar-se através da música – “É nessa fase que eu tenho certeza que todos nós já estivemos, onde você está, ‘Para onde eu vou?’” – e historias sobre voltar pra casa, a cantora de “Sue Me” contou sobre todas as faixas do seu mais novo álbum.

In My Bed

Carpenter descreveu sua primeira faixa do álbum e terceiro single como “uma saída legal”.

É engraçado, porque pelo título, muitas pessoas pensaram que seria uma música muito sensual”, diz ela com uma risada. “Acabou sendo sobre estar em sua cabeça pensando em tudo e fisicamente sentindo como se você não pudesse deixar sua cama.

Eu definitivamente estive nessa e conheço muitos dos meus amigos que também estiveram, acrescenta ela. “Isso leva você a este lugar caótico onde você começa a perder um pouco do controle.

Carpenter explica que a faixa “abre as portas” para o Act II e leva os ouvintes à varias emoções.

Pushing 20

Com letras como “Você tem um jeito, você está mexendo com a minha fé / Você está tentando pintar uma imagem, mas está ficando sem tinta”, a cantora explora como é encarar a opinião de outras pessoas em “Pushing 20”

É lidar com muita negatividade do lado de fora e as pessoas dizendo a você o que você deve ser”, explica ela. “É sobre questionar quem você é, porque você questiona quem você é quando todos estão dizendo quem você é.

A arte única apresenta um bolo semelhante ao bolo de aniversário de Harry Potter em Harry Potter e a Pedra Filosofal. Nela, seu nome está escrito incorretamente como Sabreena Carpunder, repetindo o erro de escrita/digitação de Feliz Aniversário no bolo do bruxo.

I Can’t Stop Me (feat. Saweetie)

A atriz The Hate U Give diz que nunca pensou em lançar “I can’t stop me”, mas achou que a música “se encaixava perfeitamente” no álbum.

É como quando você está em um relacionamento e alguém está tentando dizer o que é bom para você”, explica ela. “Quando escrevemos essa música pela primeira vez, foi ‘I Can’t Stop You”.

Carpenter e sua equipe, no entanto, decidiram transformar a faixa em uma música confiante e empoderadora e re-trabalharam para ser “I Can’t Stop Me”.

Eu acho que isso vai ser algo que meus fãs podem se lembrar”, explicou ela.

A faixa é a única colaboração no Act II. Com o rapper Saweetie, a faixa apresenta uma armadilha com ad libs e um verso do “My Type” MC.

Eu realmente queria um rapper feminina, porque eu apenas senti que se encaixava no tom do disco”, diz ela. “Saweetie levou para outro nível e eu a amo. Ela é muito foda.

I’m Fakin

Para Carpenter, “I’m Fakin” é “uma música muito divertida.

Nela, ela canta: “Não se esqueça das palavras que eu estou dizendo / Toda vez que eu digo que terminamos, eu estou fingindo”.

Dizemos muitas coisas que na verdade não queremos dizer”, diz ela, quebrando as letras da faixa. “E eu não sei porque fazemos isso, especialmente nos relacionamentos.

Dizemos algo para fazer alguém se sentir de uma certa forma, mesmo que não nos sentimos assim”, acrescenta ela.

Take Off All Your Cool

Carpenter diz que esta música começou com o riff que distingue esta faixa do restante do álbum. Ela estava no estúdio com seu produtor e co-escritor Warren “Oak” Felder, com quem ela trabalhou em “Sue Me” do Act I.

Podemos até chutar na entrada da casa porque você sabe que eu não estou tentando complicar demais”, ela canta “Se mostrar todas as suas cores me levará ao desgosto (desgosto) / Então deixe-me quebrar, sim, sim

A cantora de “Almost Love” adicionou “Take Off All Your Cool” à sua lista de letras favoritas em todo o álbum.

É como, ‘Pare de tentar ser algo que você acha que é o que eu quero que você seja”, diz ela sobre a faixa. “É sobre nós estarmos tipo” vamos apenas mostrar uns aos outros o nosso eu real 100% e podemos nos conhecer desse jeito “em vez de tentar impressionar uns aos outros com propaganda enganosa.

Tell Em

Carpenter deixa as coisas mais lentas em “Tell Em” – a última faixa que ela escreveu para o Act II e a mais longa do álbum.

‘Tell Em’ é definitivamente meu bebê, eu amo essa música. Ela coloca você em um estado mental diferente do resto das músicas do disco”, explica ela. “É uma respiração boa e profunda.

Carpenter, em seguida, recuou brincando, dizendo que “Exhale” (a próxima faixa) é a respiração profunda literal do álbum. Ela descreve a música como a música mais gostosa e a que ela mais experimentou.

Eu realmente me diverti muito escrevendo uma música, sobre não ter que contar tudo a todos, e não devendo a todos uma explicação para a maneira como você se sente”, ela diz. “É a nossa vida e vamos ser criados ao longo do caminho.

Exhale

“Exhale” dá aos fãs algumas dicas sobre as dificuldades de Carpenter com a saúde mental.

Este é um momento literal muito importante que precisava estar no álbum para que eles se sintam como se este realmente fosse um lugar vulnerável para mim”, diz ela. “Há muita confiança em ser vulnerável e dizer como você se sente.

Embora o single seja o favorito dos fãs, ela pensou antes de lançá-lo, pois não queria que as pessoas pensassem que ela estava simplesmente reclamando.

Eu obviamente sempre prefiro me concentrar na gratidão”, diz ela. “No entanto, foi definitivamente um momento que eu acho que meus fãs vão apreciar e vão poder usar para ajudar o que está acontecendo em suas vidas, o que é muito importante para mim.

Take You Back

Esta é a música mais fofa (ou atrevida) do álbum”, diz Carpenter sobre “Take You Back”.

Eu não sei porque eu adotei a palavra ‘atrevida’”, ela ri. “Eu não sou australiana, mas definitivamente parece uma palavra que eu posso usar para descrever essa música.
“Take You Back” é sobre perceber que “eu realmente não preciso de você”.

É sobre ter uma pessoa em sua vida que você pensou que queria, e então você percebe que você definitivamente não precisa”, diz ela. “Eu quero literalmente levá-lo de volta à loja.

Em sua própria vida, a cantora diz que as pessoas entraram em sua vida com a simples razão de “nos ensinar lições e depois elas saem

Looking At Me

A faixa que sela o álbum, “Looking At Me”, está repleta de batidas e trombetas latinas, lembrando o hit “Havana” de Camila Cabello.
Carpenter descreve a música como o disco de dança do álbum.

Espero que isso faça com que as pessoas se sintam como se não pudessem sair da cama [no começo do segundo act] para querer literalmente se levantar da cama e ir e estar no mundo e descobrir quem são”, ela diz.

Embora o Act I tenha apresentado apenas oito músicas, ela “ficou um pouco louca” e adicionou este nono no Act II – “Eu estava tipo, vamos jogar outro para as crianças!