Atenção as críticas abaixo contém spoilers, se você não assistiu ao filme, não leia!

Com a estreia oficial do filme “The Short History of the Long Road” no Festival de Tribeca, foram publicadas as primeiras críticas dos jornalistas que já assistiram o longa. Reunimos abaixo uma seleção de críticas, e conforme forem saindo mais, iremos atualizar a postagem.

“The Short History of the Long Road” é sobre encarar o passado e criar sua própria jornada

“Eu achei que essa foi uma linda história sobre sobreviver e sempre plantar raízes”

A adolescente Nola cresceu vivendo em uma van com seu carismático pai, Clint; dois nômades contra o mundo. Quando vem a tragédia, Nola deve confrontar sua realidade na estrada sozinha. Ela precisará tomar a direção pela primeira vez aprendendo a dominar seu luto, seu passado e seu novo destino.

Nola (Sabrina Carpenter) foi criada em um estilo de vida não convencional vivendo em uma van, ficando em casas hipotecadas e constantemente estando na estrada com seu pai Clint (Steven Ogg) sem laços com nada nem ninguém. Ela aprende a ser autossuficiente ao adquirir habilidades como consertar carros, reparar casas e qualquer outra coisa que dará dinheiro. Nunca tendo conhecido sua mãe Cheryl (Maggie Siff), que a deixou quando ela era um bebê, a deixa se sentindo vazia e sempre em uma busca interior. Quando seu pai morre na estrada, ela é forçada a continuar vivendo sozinha com tudo que ele havia a ensinado até o momento. A história começa quando sua van quebra e ela tem que levá-la para o conserto. O dono, Miguel (Danny Trejo), diz que o reparo custará mais de mil dólares, ela faz a única coisa que sabe como fazer, que é trabalhar em sua garagem.

Nola prova ser muito confiável e responsavel e com o tempo, Miguel passa a gostar dela. Ele oferece que ela fique no sótão de sua garagem até que sua dívida seja paga. Ela se torna amiga de uma garota problemática chamada Blue (Jashaun St. John) que fica fora da garagem para evitar ir para casa com seu pai abusivo. Elas se tornam amigas e Blue ajuda Nola a fazer uma pesquisa e descobrir onde sua mãe está ficando. Quando Nola finalmente a localiza, ela descobre a dura verdade que sua mãe nunca quis filhos e seus pais não tiveram os recursos para cuidar dela. Seu pai achou melhor que ele a criasse sozinha. Não é o belo reencontro que você espera mas é muito real e eu gostei disso nesse filme. O filme termina com Nola voltando à garagem para agradecer Miguel apropriadamente por toda a sua ajuda, então ela leva Blue para ficar com sua tia que mora há oito horas de distância. Nola continua mas no caminho, ela conhece uma outra família que também mora em sua van e eles a convidam para se juntar a eles em uma comunidade de outras pessoas vivendo o mesmo estilo de vida.

Eu achei que essa é uma linda história sobre sobreviver e sempre plantar raízes. Pelo caminho, Nola se mete em problemas mas encontra apoio em outros e pela primeira vez, ela faz amizades e as guarda. Mesmo que ela viaje sozinha, ela conhece outros como ela que eventualmente se tornam como família. Ótimo filme.

NOTA: ★★★★

Irish Film Critic

 

Chegando um ano após Debra Granik ter coberto lindamente um território similar em “Leave No Trace”, não deveria haver frescor para “The Short History of the Long Road”, mas existe.Este drama indie pode caminhar (ou mais apropriadamente aqui, dirigir) ao longo de um caminho previamente explorado, mas o faz com amplas quantidades de coração e humor. Com um espírito gentil, um desempenho central de fazer estrelas e um cinema intuitivo, o filme supera qualquer senso de derivação.

A melhor parte de “The Short History of the Long Road” é o papel principal interpretado por Sabrina Carpenter. Sua performance é brilhante, caminhando muito bem e assumindo um papel muito difícil. Seu trabalho remove quase todo o pensamento sobre a natureza um tanto derivada do filme, concentrando-se na história emocional em questão. Sua contratação eleva o filme e deixa o personagem principal sair da página e entrar em nossos corações.

Nola (Carpenter) é uma adolescente que sempre viveu a vida na estrada. Especificamente, ela sempre morou em uma van com seu pai Clint (Steven Ogg). Eles atravessam o país, atravessando a maior parte do tempo, ocasionalmente se hospedando em casas hipotecadas, embora não estejam acima de paradas periódicas na biblioteca ou no cinema. Clint conserta coisas para ganhar dinheiro para sobreviver, embora tendo optado por essencialmente educar Nola em casa através de experiências de vida, as despesas são baixas. Eles têm uma existência feliz, mesmo que esteja prestes a chegar ao fim.

Quando a tragédia ocorre, Nola se vê sozinha pela primeira vez. Com pensamentos vagos de encontrar sua mãe, que ela nunca conheceu, ela sai. Há bondade de estranhos na estrada, ajudando a facilitar sua transição sem o Clint. É claro que a van quebra, levando-a a uma garagem dirigida pelo rude e gentil Miguel (Danny Trejo). Nola é contratada para compensar o custo dos reparos, enquanto procura por sua mãe. Quando ela encontra Cheryl (Maggie Siff), não é a reunião que qualquer uma delas está esperando.

Sabrina Carpenter é uma revelação aqui. Seu trabalho em “The Short History of the Long Road” é empático e mundano, embora ainda claramente filtrado através de uma lente adolescente. Carpenter faz muito com seus olhos e expressões, te animando com um sorriso ou quebrando seu coração com um olhar. Steven Ogg e Danny Trejo são carismáticos como figuras masculinas positivas em sua vida, desenvolvendo química fácil. Maggie Siff tem um relacionamento diferente com Carpenter, embora essa subtrama seja ligeiramente prejudicada em relação ao clímax. Rusty Schwimmer faz parte do elenco de apoio, interpretando um bom samaritano, mas todos os olhos estão em Carpenter.

Escritora/diretora Ani Simon-Kennedy faz uma escolha consciente para não se inclinar para a dureza desta vida.Ela não glorifica essa forma de vida, mas os altos são vistos mais do que os baixos. O último consiste em mais de Nola não ter conexões com outros adolescentes ou ver os fins dos filmes, em oposição ao dano físico real. Isso pode ser bastante ambicioso, mas a escolha de Ani Simon-Kennedy se encaixa em “The Short of the Long Road”. Ela está contando um tipo específico de história sobre amadurecimento, uma que ela pode captar com sucesso. As coisas terminam um pouco arrumadas demais, embora isso seja um pequeno trocadilho no final.

Apesar do terreno narrativo familiar, “The Short History of the Long Road” encontra seu próprio caminho. Quanto menos você pensar em “Leave No Trace” ou algo como “Wendy & Lucy”, melhor. Carpenter, Simon-Kennedy, Trejo e companhia são capazes de fazer suas próprias coisas com o conceito familiar. Por Carpenter sozinha, isso valeria a pena recomendar. Todo o pacote faz com que seja um dos melhores títulos para a tela até agora em Tribeca este ano.

The Short History of the Long Road estreou no Tribeca Film Festival em 27 de abril e atualmente busca por distribuição.

NOTA: ★★★

Awards Circuit