Sabrina Carpenter Brasil

Bem-vindo à sua primeira e maior fonte de notícias sobre Sabrina Carpenter no Brasil. Estamos aqui para manter vocês informados sobre tudo o que acontece na carreira da Sabrina. Esperamos que aproveitem todo o conteúdo que o site tem a oferecer. Sinta-se livre para comentar nas nossas postagens e visitar nossa galeria. Não esqueça também de nos seguir nas redes sociais para ficar atualizado 24h por dia!
28
set
19

Saiba quais foram as submissões de Sabrina Carpenter para o Grammy 2020

Foram vazadas na tarde desta quinta-feira, 26, pelo fórum “GoldDerby” a tão aguardada lista de submissões enviadas pelas gravadoras ao Grammy Awards 2020, a premiação mais importante do mundo da música, a qual Sabrina Carpenter está submetida a cinco indicações, confira abaixo:

Singular Act 2

Album of The Year

Pop Vocal Album

Sue Me

Best Pop Solo Performance

In My Bed

Best Pop Solo Performance

On My Way

Best Pop Duo/Group Performance

Para que o artista seja indicado ao Grammy, é necessário que a gravadora faça as submissões. Isso não garante que o que foi submetido pela Hollywood Records será oficialmente indicado a premiação, já que isso é definido pelos votos da academia. Os indicados serão revelados oficialmente no dia 20/11 e a premiação acontece no dia 26/01.

Acompanhe todas as novidades sobre a Sabrina Carpenter em nossas redes sociais: FacebookTwitter e Instagram.

Fonte: 1/2/3

12
set
19

Billboard inclui Sabrina Carpenter na lista dos 21 melhores jovens artistas da geração

Postado por
Marcadores: Matéria, Música, Sabrina Carpenter

Sabrina Carpenter entrou em 14º lugar na lista do “21 Under 21” desse ano — ranking anual da Billboard dos mais importantes artistas jovens, independente do gênero. O ranking mostra 21 artistas com menos de 21 anos, com curtas carreiras ainda e os aponta como a nova geração de estrelas.

1. Billie Eilish, 17

2. Lil Nas X, 20

3. Juice WRLD, 20

4. Lil Pump, 19

5. Chloe X Halle, 21, 19

6. Lil Tecca, 17

7. Mason Ramsey, 12

8. Bhad Bhabie, 16

9. Christian Nodal, 20

10. Daya, 20

11. Why Don’t We, 18-21

12. Noah Cyrus, 19

13. NCT Dream, 17-19

14. Sabrina Carpenter, 20

15. King Princess, 20

16. PRETTYMUCH, 19-22

17. Grace VanderWaal, 15

18. Willow Smith, 18

19. Manuel Turizo, 19

20. Snail Mail, 20

21. Paloma Mami, 19

Esta é a 4° vez que a cantora e atriz entra no ranking.

Fonte.

19
ago
19

Sabrina Carpenter se apresenta no Summer Sonic Festival, no Japão

Postado por
Marcadores: Festival, Música

No último final de semana, nos dias 16 e 18 de agosto, Sabrina Carpenter se apresentou no Summer Sonic Festival, no Japão, nas cidades de Tokyo e Osaka, respectivamente. A performance ocorreu no Mountain Stage, e não teve transmissão oficial.

Além das músicas “Almost Love“, “Paris“, entre outras, Sabrina performou pela primeira vez “Looking At Me” e “I’m Fakin“. Confira abaixo fotos e vídeos do festival:

> SHOWS & TURNÊS | CONCERTS & TOURS > OUTROS (SHOWS & PERFORMANCES) > 2019 > 17/08 – SUMMER SONIC FESTIVAL EM OSAKA, JAPÃO

Almost Love T|O
Sue Me T|O
Pushing 20 O
Why T
In My Bed T
Paris T
Looking At Me T
On My Way T|O
Alien T
Diamonds Are Forever/Diamonds T|O
I’m Fakin T

13
ago
19

Saiba como indicar Sabrina Carpenter ao People’s Choice Awards 2019

Postado por
Marcadores: Música, Premiação, Sabrina Carpenter

O People’s Choice Awards abriu a leva de nomeação para seus indicados. Até sexta-feira, dia 16 de Agosto poderemos indicar Sabrina Carpenter nas seguintes categorias:

The Female Artist of 2019: Sabrina Carpenter

The Song of 2019: On My Way

The Album of 2019: Singular Act II

The Concert Tour of 2019: The Singular Tour

The Music Video of 2019: In My Bed

The Social Celebrity of 2019: Sabrina Carpenter

  • 1. Para nomear os indicados é fácil, basta acessar o site do PCA.
  • 2. Fazer o login com seu e-mail ou Facebook e depois clicar nas caixinhas indicadas para concordar com os termos.

  • 3. Procure pelas categorias de “The Female Artist of 2019”, “The Song of 2019”, “The Album of 2019”, “The Music Video of 2019”, “The Concert Tour of 2019” em Music e “The Social Celebrity of 2019” em Pop Culture.

  • Na categoria “The Female Artist Of 2019” coloque “Sabrina Carpenter”

  • Na categoria “The Song Of 2019” coloque “Alan Walker & Sabrina Carpenter – On My Way

  • Na categoria “The Album Of 2019” coloque “Sabrina Carpenter – Singular Act II

  • Na categoria “The Music Video of 2019” coloque “Sabrina Carpenter – In My Bed

  • Na categoria “The Concert Tour of 2019” coloque “Sabrina Carpenter – The Singular Tour

  • Na categoria “The Social Celebrity of 2019” coloque “Sabrina Carpenter

  • 4. Prontinho! Você indicou! Caso queira votar novamente, basta clicar em “Submit Again”.

  • 5. Quando você atingir o numero limite de indicações por dia você vai receber esse aviso da imagem! O processo pode ser repetido apenas 25 VEZES em cada categoria, se você tiver mais de um e-mail ou Facebook pode usar para votar.

Lembrando que as indicações podem ser feitas até o dia 16 deste mês. Após esse período os mais indicados serão revelados e as votações estarão abertas a partir do dia 4 de setembro.

Qualquer dúvida, envie para nosso Twitter ou Curious Cat;

06
ago
19

Sabrina Carpenter realiza ensaio fotográfico e entrevista à “Refinery 29”

Na tarde desta segunda-feira, 05, foram revelados o ensaio fotográfico e entrevista exclusivos que Sabrina Carpenter concedeu à plataforma “Refinery 29”, grande portal estadunidense destinado à moda e estilo. Ao tabloide, a cantora falou sobre sua carreira, crescimento, influência nas mídias sociais e mais. Ela também falou sobre o falecimento de seu amigo e colega da Disney, Cameron Boyce. Confira, a seguir, a matéria publicada e sua devida tradução:

O Crescimento: Sabrina Carpenter em sumir, luto e crescer.

Mundo, conheça a garota. Sabrina Carpenter está colocando seus dias da Disney – e seus dias de adolescentes – atrás dela com um novo álbum e uma nova perspectiva.

Sabrina Carpenter transformou o set de Toronto de sua sessão de fotos do Refinery29 em seu próprio mini videoclipe. Ela está deitada no chão branco do estúdio enquanto o fotógrafo, com a câmera na mão, paira acima dela. Carpenter está graciosamente posando e dublando para a lente cada palavra de “Keep On” por Kehlani. A playlist é curada para seus gostos (Beyoncé, Christina Aguilera, SZA, etc.) e ela pula pelo set com os pés descalços, contando piadas com a equipe e exalando a confiança de alguém que tem dançado em torno de photoshoots desde a adolescência.

Quando ela e eu nos encontramos eu vou para o aperto de mão enquanto ela vai para o abraço. “Desculpe, sou um “abraçadora”, ela diz, rindo, sua voz profunda contrastando com a estatura da ex-estrela da Disney de quase um metro e meio. Ela está usando o look nº 4 do dia, uma saia plissada cor de rosa no tornozelo, combinada com uma camisa de gola verde e roxa neon. Eu digo a ela que ela é mais controlada do que eu, quando era uma tímida menina de 20 anos, e ela diz: “Eu sou uma atriz. É o que eu quero que você pense.”

Se Carpenter está fingindo sua maturidade, não posso dizer. Ela mantém o equilíbrio durante a maior parte das cinco horas de filmagens (ela nos encaixa em seu dia de folga das filmagens do filme de dança Netflix, Work It), quebrando apenas quando ela está encolhida em um canto com sua irmã, Sarah, rindo de vídeos em seu telefone entre as tomadas. Quando ela está de volta na frente da câmera, a menina de muitos talentos canta junto com as faixas de seu novo álbum, Singular: Ato II, que oscila entre um pop divertido e orgulhoso e confissões profundas sobre ansiedade. “A verdade é que estou presa no meio de algo entre “o que está acontecendo?” e “tenho tudo sob controle”, diz ela sobre seu dia agitado de hoje.

Mais tarde, quando nos mudamos para uma cafeteria silenciosa (fechada, mas ocupamos o lugar vazio de qualquer maneira) ligada ao estúdio, a cabeleireira soltou suas longas extensões louras, e Carpenter mudou de seu look do photoshoot de cores vivas para uma camiseta esfarrapada cropped vintage da Harley Davidson, calça jeans folgada Reformation de cintura alta e seus “sapatos de papai” Balenciaga. A roupa faz com que ela pareça ainda mais jovem que 20. “Eu tenho 12 anos”, ela brinca.

No cenário musical atual, Carpenter é a contraparte brilhante de anti-celebridades despojadas Maggie Rogers e Billie Eilish. Sua música tem mais uma sensação de R&B dos anos 90 do que o folk de Rogers e o gótico de Eilish. Quando pergunto a ela como uma garota branca da periferia da Pensilvânia canta com tanta alma, ela diz: “Minha mãe é da Filadélfia!” e cita Etta James e Whitney Houston como primeiras influências. Carpenter parece civilizada e segura de si, a pop star prototípico que você esperaria de uma garota da Disney jovem demais para se lembrar de um tempo antes do domínio de Britney e Christina na Billboard em seus respectivos prémios. Essa imagem é o motivo, Carpenter diz, ela foi mais fundo neste álbum.

A faixa que poderia ser sua declaração de tese é “Exhale”, que sugere o desejo de Carpenter de acabar com o verniz que ela colocou em álbuns anteriores. Ela canta, “ouço as gravadoras, ouço o homem/Tento manter a sensação de saber quem eu sou/eu tento ser um anjo, mas eu não acho que posso/Acho que estou chegando aos meus limites.” Carpenter diz que seu ponto de ruptura aconteceu por causa de seus fãs.

“Percebi que meus fãs falam tão abertamente comigo sobre o que eles estão passando”, diz ela mexendo na manga. “Eu recebo mensagens super pessoais, e eles vêm até mim no meet & greet e me dizem o que está acontecendo em suas vidas, e lá eu estava apenas tentando ser essa estrela pop brilhante. Isso não é realista.”

Os primórdios da carreira de Carpenter são muito Gen-Z. Ela cresceu em East Greenville, PA, e aos 10 anos, ela ficou em terceiro lugar em uma competição de canto chamada The Next Miley Cyrus Project (Cyrus ainda é uma inspiração, mas Carpenter relembra a experiência com total embaraço: “Eu nem sabia pentear minhas sobrancelhas para cima!”). Então, ela começou a postar vídeos no YouTube depois que seu pai construiu para ela um estúdio de gravação roxo em um armário de seu porão (“tipo de lugar onde Harry Potter viveria se ele morasse na minha casa”). De lá, ela conseguiu alguns papéis recorrentes em diversas séries de TV, mas foi conseguindo seu papel em Girl Meets World do Disney Channel em 2013, onde ela interpretou a melhor amiga, Maya, para a animada Riley Matthews de Rowan Blanchard, que a colocou na mesma trajetória de carreira que os superstars que vieram antes dela. Com um show de sucesso e músicas correspondentes subindo nas paradas da Radio Disney, Carpenter se juntou à longa lista de celebridades que cantavam e atuavam, que ficaram famosas nos shows do Disney Channel, como Cyrus, Selena Gomez, Zendaya e Demi Lovato.

Em plataformas de mídia social, onde as pessoas são indiscutivelmente as mais duras, Carpenter é exposta ao amor e ódio de milhões. “Dezoito milhões, porra”, ela diz seu número de seguidores no Instagram. “Metade deles são contas fantasmas, vamos ser realistas.” Carpenter lida com a atenção e sua ansiedade freqüentemente postando on-line, e em seguida, recusando-se a olhar para os comentários. “Eu posto algo no Twitter e, literalmente, pulo no oceano. [Meus fãs ficam] tipo, ‘Você pode por favor ficar?’ Mas às vezes, eu não quero saber o que [os fãs estão] pensando.”

Seus seguidores têm muitos pensamentos sobre os relacionamentos de Carpenter – platônicos e românticos. Em termos do último, Carpenter ri dos boatos de que ela já namorou Shawn Mendes, mas se policia sobre os “alguns dos Bradleys” em sua lista de exs (Bradley Steven Perry, uma estrela da Boa Sorte Charlie é um deles) e faz piadas sobre o resto de sua vida amorosa: “Eu sou casada secretamente há oito anos, ninguém sabe. Eu tenho um filho.”

O método favorito de deflexão de Carpenter é o sarcasmo; ela é cautelosa sobre seus hábitos de namoro, mas é um livro aberto quando se trata de suas melhores amigas e irmãs mais velhas, Sarah, Shannon e sua meia-irmã, Cayla. Ela é mais próxima de Sarah, 22 anos, que tem o rosto de sua irmã e viaja com Sabrina como sua cantora de apoio e faz de tudo. “Você sabe aquela pessoa em sua vida que faz praticamente tudo o que você pode pensar?” é como Carpenter descreve o trabalho de sua irmã na estrada, enquanto Sarah escuta atrás de uma parede adjacente e ri. “Eu não sei quanto tempo ela vai querer ficar perto de mim – eu sou muito chata – mas por enquanto está funcionando.”

Carpenter fala sobre sua outra melhor amiga (um título muito importante para distribuir aos 20 anos), a estrela de The Act, Joey King, como se ela fosse uma irmã também. King foi nomeada para seu primeiro Emmy recentemente, e Carpenter sabia que a honra estava vindo antes de King. “Ela estava tipo, ‘Não, não vai acontecer’. Eu estava tipo, ‘Você é uma puta idiota’”.

Chamar um amigo de “uma puta idiota” carinhosamente é algo que o personagem de Carpenter no The Hate U Give pode fazer, mas é aí que as semelhanças terminam. Carpenter interpretou Hailey, a melhor amiga branca racista de Starr Carter, de Amandla Stenberg, na adaptação de 2018 YA sobre o Black Lives Matter e a brutalidade policial. Carpenter diz que o papel foi estratégico para seu primeiro grande papel depois da Disney. “Eu acho que é muito fácil para as pessoas olharem para as crianças que vêm da Disney e vê-las como um rosto e não como uma voz”, diz ela. “Eu queria que meus fãs pudessem aprender algo com algo que eu fiz”.

Carpenter está aprendendo como ela vai. Junto com um cronograma frenético que não permite que ela durma muito (atualmente ela é produtora executiva e estrela no Work It, desenvolvendo uma adaptação para o cinema de The Distance From Me To You com Danielle Fishel, e trabalhando no seu quinto álbum de estúdio), Carpenter também está lidando com um processo em curso por ex-gerentes (sua música “Sue Me” é sobre a batalha legal), e lidando com a perda devastadora de seu falecido amigo e colega da Disney, Cameron Boyce. Carpenter diz que trabalhar através do seu sofrimento foi a parte mais difícil.

“Não parece real ainda”, ela está segurando as lágrimas, visivelmente abalada com a menção de Boyce. “Tudo o que posso dizer sobre ele é que ele era mais especial do que qualquer um poderia compreender.” Carpenter diz que ainda está tentando dar sentido à tragédia enquanto manipula as responsabilidades de virar adulta, e chegar a um acordo com o fim de sua adolescência.

“Quando você é mais jovem, você acha que é muito pior do que é”, Carpenter suspira. “Então todo mundo fica tipo, ‘espere até chegar aos 20’. Então você chega aos seus 20 anos e fica tipo ‘ohhhh’”.

Carpenter ainda está olhando adiante com partes iguais de otimismo e incerteza. Um dia, ela espera se juntar à pequena lista de artistas que ganharam um Emmy, Grammy, Oscar e um Tony. “Eu acho que se [um EGOT] vier com os projetos que eu lancei com coração e paixão, isso seria ‘irado’.” Ela faz uma pausa. “Ninguém vai dizer isso em 50 anos”, Carpenter está imediatamente se arrependendo de sua escolha de palavras. “Você pode imaginar alguém lendo uma citação da Wikipédia de mim: “Eu adoraria ter um EGOT um dia. Isso seria ‘irado’.”

ENSAIOS FOTOGRAFICOS | PHOTOSHOOTS > 2019 > REFINERY29
22
jul
19

Sabrina Carpenter fala o significado por trás de cada música do “Singular Act 2”

Após o lançamento do “Singular Act 2”, Sabrina Carpenter concedeu uma entrevista para a revista People onde falou o significado por trás de cada música do álbum, além de já ter começado a trabalhar em seu quinto álbum e que espera fazer uma turnê mais longa do que no Act 1. Confira a entrevista completa e traduzida pela nossa equipe logo abaixo:

Tem acontecido muita coisa na minha vida que me fez querer refletir”, diz Carpenter sobre seu mais novo álbum.

Sabrina Carpenter acaba de lançar seu quarto álbum Singular: Act II – e PEOPLE se encontrou com a jovem estrela para falar sobre seu lançamento, cheia de suas letras mais pessoais e reflexivas.

Carpenter, que completou 20 anos em maio, diz que as composições se tornaram um caminho para sua autodescoberta – e ambos os atos do Singular são prova disso, como ela escreveu em todas as faixas.

Eu definitivamente senti que dentro das músicas que eu estava escrevendo, não estava lutando tanto com minha identidade, quanto lutando para chegar a um acordo com quem eu sou”, ela diz à PEOPLE exclusivamente.

Tem acontecido muita coisa na minha vida que me fez querer refletir”, acrescenta ela. “Eu sinto que este ano passado é definitivamente – altos e baixos – como uma montanha-russa. Isso me ensinou muito, com certeza. Mas também me estendeu a lugares diferentes que eu não achava que pudesse ir antes.

O segundo ato vem oito meses depois de Singular: Act I, e apesar de Carpenter originalmente ter planejado lançar Singular como um álbum completo, as faixas no Act I “se encaixam perfeitamente”.

Carpenter está filmando Work It ao lado de Liza Koshy e Keiynan Lonsdale , de Com Amor Simon, no Canadá, o que a levou a relembrar seus primórdios musicais.

Eu me lembro de lançar meu primeiro álbum quando estava filmando um filme no Canadá, quando eu tinha uns 15 anos”, diz ela, referindo-se ao álbum Eyes Wide Open. “É realmente um círculo completo.

Nesta semana, também foi anunciado que a ex-atriz de Girl Meets World vai estrelar e produzir a adaptação cinematográfica de The Distance from Me to You. Carpenter também disse a PEOPLE que ela já começou a trabalhar em seu próximo álbum e espera fazer uma turnê mais longa do que no Act I.

Entre risadas nervosas sobre encontrar-se através da música – “É nessa fase que eu tenho certeza que todos nós já estivemos, onde você está, ‘Para onde eu vou?’” – e historias sobre voltar pra casa, a cantora de “Sue Me” contou sobre todas as faixas do seu mais novo álbum.

In My Bed

Carpenter descreveu sua primeira faixa do álbum e terceiro single como “uma saída legal”.

É engraçado, porque pelo título, muitas pessoas pensaram que seria uma música muito sensual”, diz ela com uma risada. “Acabou sendo sobre estar em sua cabeça pensando em tudo e fisicamente sentindo como se você não pudesse deixar sua cama.

Eu definitivamente estive nessa e conheço muitos dos meus amigos que também estiveram, acrescenta ela. “Isso leva você a este lugar caótico onde você começa a perder um pouco do controle.

Carpenter explica que a faixa “abre as portas” para o Act II e leva os ouvintes à varias emoções.

Pushing 20

Com letras como “Você tem um jeito, você está mexendo com a minha fé / Você está tentando pintar uma imagem, mas está ficando sem tinta”, a cantora explora como é encarar a opinião de outras pessoas em “Pushing 20”

É lidar com muita negatividade do lado de fora e as pessoas dizendo a você o que você deve ser”, explica ela. “É sobre questionar quem você é, porque você questiona quem você é quando todos estão dizendo quem você é.

A arte única apresenta um bolo semelhante ao bolo de aniversário de Harry Potter em Harry Potter e a Pedra Filosofal. Nela, seu nome está escrito incorretamente como Sabreena Carpunder, repetindo o erro de escrita/digitação de Feliz Aniversário no bolo do bruxo.

I Can’t Stop Me (feat. Saweetie)

A atriz The Hate U Give diz que nunca pensou em lançar “I can’t stop me”, mas achou que a música “se encaixava perfeitamente” no álbum.

É como quando você está em um relacionamento e alguém está tentando dizer o que é bom para você”, explica ela. “Quando escrevemos essa música pela primeira vez, foi ‘I Can’t Stop You”.

Carpenter e sua equipe, no entanto, decidiram transformar a faixa em uma música confiante e empoderadora e re-trabalharam para ser “I Can’t Stop Me”.

Eu acho que isso vai ser algo que meus fãs podem se lembrar”, explicou ela.

A faixa é a única colaboração no Act II. Com o rapper Saweetie, a faixa apresenta uma armadilha com ad libs e um verso do “My Type” MC.

Eu realmente queria um rapper feminina, porque eu apenas senti que se encaixava no tom do disco”, diz ela. “Saweetie levou para outro nível e eu a amo. Ela é muito foda.

I’m Fakin

Para Carpenter, “I’m Fakin” é “uma música muito divertida.

Nela, ela canta: “Não se esqueça das palavras que eu estou dizendo / Toda vez que eu digo que terminamos, eu estou fingindo”.

Dizemos muitas coisas que na verdade não queremos dizer”, diz ela, quebrando as letras da faixa. “E eu não sei porque fazemos isso, especialmente nos relacionamentos.

Dizemos algo para fazer alguém se sentir de uma certa forma, mesmo que não nos sentimos assim”, acrescenta ela.

Take Off All Your Cool

Carpenter diz que esta música começou com o riff que distingue esta faixa do restante do álbum. Ela estava no estúdio com seu produtor e co-escritor Warren “Oak” Felder, com quem ela trabalhou em “Sue Me” do Act I.

Podemos até chutar na entrada da casa porque você sabe que eu não estou tentando complicar demais”, ela canta “Se mostrar todas as suas cores me levará ao desgosto (desgosto) / Então deixe-me quebrar, sim, sim

A cantora de “Almost Love” adicionou “Take Off All Your Cool” à sua lista de letras favoritas em todo o álbum.

É como, ‘Pare de tentar ser algo que você acha que é o que eu quero que você seja”, diz ela sobre a faixa. “É sobre nós estarmos tipo” vamos apenas mostrar uns aos outros o nosso eu real 100% e podemos nos conhecer desse jeito “em vez de tentar impressionar uns aos outros com propaganda enganosa.

Tell Em

Carpenter deixa as coisas mais lentas em “Tell Em” – a última faixa que ela escreveu para o Act II e a mais longa do álbum.

‘Tell Em’ é definitivamente meu bebê, eu amo essa música. Ela coloca você em um estado mental diferente do resto das músicas do disco”, explica ela. “É uma respiração boa e profunda.

Carpenter, em seguida, recuou brincando, dizendo que “Exhale” (a próxima faixa) é a respiração profunda literal do álbum. Ela descreve a música como a música mais gostosa e a que ela mais experimentou.

Eu realmente me diverti muito escrevendo uma música, sobre não ter que contar tudo a todos, e não devendo a todos uma explicação para a maneira como você se sente”, ela diz. “É a nossa vida e vamos ser criados ao longo do caminho.

Exhale

“Exhale” dá aos fãs algumas dicas sobre as dificuldades de Carpenter com a saúde mental.

Este é um momento literal muito importante que precisava estar no álbum para que eles se sintam como se este realmente fosse um lugar vulnerável para mim”, diz ela. “Há muita confiança em ser vulnerável e dizer como você se sente.

Embora o single seja o favorito dos fãs, ela pensou antes de lançá-lo, pois não queria que as pessoas pensassem que ela estava simplesmente reclamando.

Eu obviamente sempre prefiro me concentrar na gratidão”, diz ela. “No entanto, foi definitivamente um momento que eu acho que meus fãs vão apreciar e vão poder usar para ajudar o que está acontecendo em suas vidas, o que é muito importante para mim.

Take You Back

Esta é a música mais fofa (ou atrevida) do álbum”, diz Carpenter sobre “Take You Back”.

Eu não sei porque eu adotei a palavra ‘atrevida’”, ela ri. “Eu não sou australiana, mas definitivamente parece uma palavra que eu posso usar para descrever essa música.
“Take You Back” é sobre perceber que “eu realmente não preciso de você”.

É sobre ter uma pessoa em sua vida que você pensou que queria, e então você percebe que você definitivamente não precisa”, diz ela. “Eu quero literalmente levá-lo de volta à loja.

Em sua própria vida, a cantora diz que as pessoas entraram em sua vida com a simples razão de “nos ensinar lições e depois elas saem

Looking At Me

A faixa que sela o álbum, “Looking At Me”, está repleta de batidas e trombetas latinas, lembrando o hit “Havana” de Camila Cabello.
Carpenter descreve a música como o disco de dança do álbum.

Espero que isso faça com que as pessoas se sintam como se não pudessem sair da cama [no começo do segundo act] para querer literalmente se levantar da cama e ir e estar no mundo e descobrir quem são”, ela diz.

Embora o Act I tenha apresentado apenas oito músicas, ela “ficou um pouco louca” e adicionou este nono no Act II – “Eu estava tipo, vamos jogar outro para as crianças!